Brasil em chamas: o impacto das queimadas para o meio ambiente
9 de setembro de 2020

Brasil em chamas: o impacto das queimadas para o meio ambiente

A temporada de queimadas no Brasil acontece entre os meses de junho e outubro. Nesse período, os biomas do país se tornam o centro das atenções. Entretanto, o destaque não é para a beleza e diversidade da fauna e flora, mas para os impactos negativos decorrentes das inúmeras queimadas. 

Segundos dados do INPE (Instituto Nacional de Pesquisa Espacial), o Brasil é o país da América Latina com mais registros de focos de incêndio no meio ambiente em 2020, totalizando quase 100 mil até o início de setembro. Com o alerta vermelho ligado, os especialistas se preocupam com os impactos dessas queimadas para a natureza.

Os biomas mais afetados pelas queimadas no Brasil

Apesar da Amazônia concentrar a maior quantidade de focos de calor, a situação mais crítica é enfrentada no Pantanal, que já perdeu mais de 10% de sua cobertura vegetal, aproximadamente 1,7 milhão de hectares – uma área cerca de 11 vezes maior que a cidade de São Paulo. 

De acordo com o Instituto Centro de Vida (ICV), a região teve um aumento de 530% nos registros de queimadas no primeiro semestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado. Especialistas apontam que a redução do volume de chuvas colaborou para isso.

Outro bioma que preocupa é a Amazônia, que de acordo com especialistas, terá uma das piores temporadas de queimadas desde 1998, principalmente, devido ao aumento do desmatamento em 2019 (29,5%, o maior em duas décadas).

As consequências dessas queimadas para o meio ambiente

O grande problema após repetidas queimadas são os impactos para o meio ambiente, que incluem desde a extinção de animais e plantas até mudanças climáticas permanentes, que podem se estender por todo o Brasil e para os países vizinhos. 

Além dos impactos para a biodiversidade e regime climático, elas também pioram a qualidade do ar. Segundo o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM), durante a temporada de queimadas, extensas áreas da Amazônia têm a qualidade do ar pior que no centro da cidade de São Paulo. Isso afeta a saúde da população, principalmente com o aumento da frequência de doenças respiratórias. 

Quando pensamos que a temporada de queimadas é algo que acontece todos os anos, a proporção dessas consequências se torna ainda mais dramática. 

Ações do governo brasileiro para conter as queimadas

Diante desse cenário, o governo vem adotando algumas medidas de combate às queimadas e também contra atividades ilegais, principalmente na região amazônica, que contribuem para a destruição da floresta. 

Em julho, foi publicado o Decreto Nº 10.424, que proíbe o emprego de fogo em áreas rurais por um período de 120 dias. Essa é uma ação importante, visto que 71% das queimadas em imóveis rurais neste ano na Amazônia ocorreram para manejo agropecuário, segundo o IPAM.

A Operação Pantanal, apoiada pelo Ministério da Defesa, realiza ações diárias de combate aos focos de queimadas no bioma. São mais de 400 profissionais que diariamente fazem patrulhamento local para inibir as chamas e em aeronaves despejam água, durante os sobrevoos, para conter ao fogo.

A grande maioria dos incêndios em vegetação é por ação humana e algumas atitudes podem evitar que eles ocorram ou mesmo se propaguem, como, por exemplo, nunca jogar bituca de cigarro em locais onde haja vegetação e nunca usar fogo para queima de lixo ou para a limpeza de plantação.

Portanto, você também pode fazer sua parte para evitar as queimadas e preservar o meio ambiente!

Ler mais artigos