Relatório de Gases do Efeito Estufa – Já ouviu falar?

Relatório de Gases do Efeito Estufa – Já ouviu falar?

Como surgiu

Qualquer ação humana é responsável por alterar ou impactar negativamente o meio ambiente, em maior ou menor escala. A emissão de gases do efeito estufa, produzidos em sua maioria pelas atividades industriais, tem causado a mudança climática e o aquecimento global, que tanto se fala há alguns anos.

Esse aumento da temperatura global carrega inúmeras consequências para o planeta, publicadas periodicamente, pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas – órgão da ONU que tem como função a avaliação de informações científicas sobre as alterações climáticas.

No Quinto Relatório de Avaliação, por exemplo, o órgão deixou claro que, se medidas urgentes não forem tomadas para estabilizar as emissões dos gases até 2100, o aumento da temperatura global excederá 2 ºC dos níveis pré-industriais. Esse aumento poderá ser catastrófico.

Com isso, surge o Relatório, ou Inventário, dos Gases do Efeito Estufa, uma poderosa ferramenta de gestão ambiental, que possibilita mapear as fontes de emissão dos GEEs de uma determinada atividade, processo, organização etc., avaliando quantitativamente as emissões dos gases e identificando as oportunidades de redução da emissão.

Benefícios do Relatório dos Gases do Efeito Estufa

Realizar o inventário dos GEEs proporciona uma variedade de benefícios pra empresa, como por exemplo:

• Antecipação à futura legislação ou regulamentação setorial sobre as mudanças climáticas;

• Avaliação de riscos e oportunidades;

• Promoção de reconhecimento de mercado e vantagem competitiva;

• Identificação das oportunidades de melhorias na eficiência operacional e, consequentemente, para a redução nos custos;

• Possibilidade de participação no mercado de carbono;

• Possibilidade de compensação das emissões de GEE.

Exemplos de ações a serem realizadas após a análise do Relatório

Mas, mais importante do que a quantificação das principais fontes de emissão de GEE é o desenvolvimento de ações estratégicas de mitigação e redução das emissões que podem surgir a partir do inventário.

A seguir listamos uma série de ações que podem ser facilmente adotadas e incorporadas cotidianamente com a finalidade de minimizar a pegada de carbono deixada pelas indústrias:

• Realizar coleta seletiva dos resíduos produzidos;

• Evitar a impressão de documentos sem necessidade, reduzindo a utilização de papel;

• Promover campanhas de conscientização para o consumo consciente de água em locais comuns como sanitários e refeitórios;

• Adotar a prática de cada funcionário ter seu próprio copo, evitando o uso de copos plásticos;

• Plantio de árvores e aumento de áreas verdes no entorno do empreendimento, aumentando a absorção de gás carbônico e a sensação de conforto térmico;

• Reutilização da água da chuva para rega de plantas e lavagem de pátios;

• Compra de insumos e matérias primas de empresas que também se importam com o meio ambiente;

• Adoção de um sistema de gestão ambiental para minimizar os impactos ambientais do processo produtivo.

Como implementar o Relatório de GEE

Devido às complexidades envolvidas, o ideal é que o relatório seja realizado por uma consultoria de gestão ambiental. Essas assessorias são especializadas em expedições de licenças e certificados relacionados a órgãos do meio-ambiente, e geralmente cuidam de todo o processo, desde o planejamento até a execução.

A CG Ambiental é uma consultoria que possui ampla expertise em gestão de licenças, e poderá tirar dúvidas sobre o relatório de GEE. Entre em contato.